domingo, 21 de março de 2010

"Conhecendo o CPII"

O SESOP organiza anualmente o encontro "Conhecendo o CPII". Seu objetivo é apresentar o trabalho realizado em nosso colégio aos pais de alunos novos, através de atividades parecidas com as que os alunos vivenciam no dia a dia.

No último sábado, 20 de março, aconteceu o primeiro encontro do ano e a coordenação de língua portuguesa dinamizou uma das oficinas para quatro grupos de responsáveis por alunos novos de 1o a 2o anos.

A atividade começou com os participantes tentando descobrir o que queria dizer uma frase em uma língua completamente desconhecida por todos e sem nenhuma pista do que estava escrito, havia simplesmente uma frase em uma tira de papel. Ninguém conseguiu dizer nada...

Em um segundo momento, os grupos receberam diversos textos, também em línguas desconhecidas por eles, e deveriam dizer o que achavam estar escrito ali. Porém, agora esses textos apareciam em seus suportes reais: livros didáticos, de história, de charges, jornal, revista, receitas. Desta vez, muitas informações puderam ser dadas, muitas inferências foram feitas...

A experiência levou-os a pensar na sensação que as crianças devem ter ao travar contato com a língua escrita e em como fica mais fácil se o material de leitura for composto por textos contextualizados e suportes que representam a língua "viva" com uma função social real e que é reconhecida por eles por fazer parte de suas vidas.

Solicitamos aos pais, então, uma parceria no sentido de estarem atentos para mostrar a suas crianças o mundo da língua escrita que está acontecendo de maneira real fora da escola. Assim, trazer a criança para ler o jornal, preparar uma receita culinária, anotar um recado, olhar cartazes na rua, contar um livro de histórias para dormir... e tanto mais são atitudes que contribuem muito para o enriquecimento do universo do alfabetizando.

Mostramos que, aqui na escola, estamos preocupados em fazer com que nosso aluno tenha expêriências que vão além da combinação de letras, palavras, frases... Mais que alfabetizar, estamos preocupados com o letramento. Queremos mostrar a ele que o mundo da escrita é muito grande e vai além dos portões da escola.

Outros assuntos também foram discutidos, como as hipóteses que cada criança tem a respeito da língua escrita ou o uso da letra cursiva.

O encontro foi muito legal e achamos que até faltou tempo para conversarmos mais!
Quem sabe no ano que vem?
Quem sabe aqui no BLOG?
Até!
Ana Paula Giraux Leitão

quarta-feira, 17 de março de 2010

Feliz Ano Novo!!!


O ano já começou há muito tempo, mas só agora estou conseguindo escrever aqui no blog...
Temos muitas novidades acontecendo na área de língua portuguesa e aos poucos irei contando todas elas. Porém, quero tratar hoje do BLOG dos alunos.
A ideia de um BLOG só deles aconteceu quando eu conheci melhor o funcionamento de um blog - isso mesmo, estou me "alfabetizando" nesse tipo de suporte de escrita... Achei que o blog seria uma excelente forma de os alunos também serem os narradores dos acontecimentos na nossa escola. Afinal, os projetos, atividades, passeios, festas... acontecem PARA e POR eles! Nada mais adequado que os principais sujeitos dos fatos relatem o que se passa por aqui. Além disso, desta forma, os textos aqui postados têm leitores reais que terão a oportunidade de interagir com seus autores.
Os professores do LIED concordaram com a ideia na hora e já estamos pondo em prática este projeto! O primeiro passo é escolher um nome especial para o blog. Para isso, estamos promovendo um concurso entre as turmas e o nome será divulgado ainda em abril. A partir daí, esperamos que as postagens e os acessos sejam muito frequentes. Contamos com você para fazer nosso blog "bombar"!!!
Estamos muito empolgadas com isso!

Ana Paula Giraux Leitão (coordenadora de língua portuguesa)

Ah! As regras do concurso estão no blog dos alunos.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Pelos corredores da escola

Tudo começou a partir de questões formuladas no laboratório de ciências quando o grupo precisou definir o que era um cientista e um astrônomo. Algumas questões surgiram na sala e percebi que o grupo tinha outras questões relacionadas a outras áreas de conhecimento. Propus ao grupo que cada aluno formulasse uma pergunta sobre algo que o mobilizasse, que ele precisasse saber e eles acataram a proposta e assim organizamos nossa “caixa de perguntas”, onde foram colocadas as muitas curiosidades da turma.
Combinamos que semanalmente iríamos sortear uma pergunta da caixa. Cada aluno registraria em seu caderno a questão sorteada que era respondida em dupla, na sala de aula. Em casa, cada aluno verificaria em fontes de informação se a sua hipótese estava correta e acrescentaria novos dados, respaldando aquilo que já soubesse ou reescrevendo sua resposta a partir da fonte verificada.
Dois dias depois, cada aluno relatava como fez sua pesquisa, que fontes buscou e de que forma reelaborou a sua resposta. A participação e mobilização do grupo foi total. O espaço de discussão foi compartilhado por todos. Durante o relato, alguns perceberam que a fonte consultada tinha sido a mesma, outros identificaram expressões que se repetiam na conceituação.
O próximo passo foi revisar o texto que cada um tinha produzido em seu caderno. Optei por fazer uma revisão coletiva e registrar no quadro os textos produzidos. Dessa forma, os alunos puderam reelaborar concepções sobre a estrutura do texto informativo, a ortografia, as possibilidades de substituições para que não houvesse repetições desnecessárias, a necessidade de coesão e a pontuação.
Textos revisados, coloquei para a turma algumas perguntas que ganharam espaço no grupo. Por que não socializar as informações produzidas? Por que não dar um destino às escritas e leituras feitas? Por que não comunicar à escola as nossas descobertas? Dividi com a turma a minha inquietação e perguntei se poderíamos divulgar aquilo que estávamos produzindo. Afinal, textos informativos estabelecem uma relação entre pessoas, as notícias circulam nos jornais, nas páginas da internet e nossas produções estavam guardadas em nossos 24 cadernos. Decidimos então que utilizar o mural do corredor da nossa escola para divulgar essas informações e fazê-las circular, seria uma idéia muito boa. E assim foi.
Renata Gondim - professora da turma 304

quarta-feira, 20 de maio de 2009

O Projeto UAU




Além do acervo da biblioteca e das aulas de literatura, temos nas salas de aula um acervo de livros destinado ao PROJETO UAL. Do primeiro ao quinto ano, as crianças dispõem de livros que procuram atender aos diferentes gostos do leitor
As crianças escolhem um livro e de acordo com o combinado feito entre a turma e a professora têm um período de tempo para ficar com ele. Tem sempre algum livro na mochila para ler no caminho de casa ou da escola, para ler com os pais, avós, irmãos, para ler sozinho na hora de dormir ou mesmo para devolvê-lo depois de decidir que este não é bem o livro que estava procurando.
Os livros circulam entre a turma. Assim as crianças vão descobrindo o que gostam de ler, o que não gostam de jeito nenhum, qual autor preferem. As avaliações sobre o acervo acontecem nas turmas através de rodas de leitura, cartazes onde cada um pode opinar a respeito do que leu, entre outras. O importante é que cada um possa conhecer e experimentar o sabor de cada livro.
“De repente as palavras vestem seus disfarces e em um piscar de olhos estão envolvidas em batalhas, cenas de amor e brigas. Assim as crianças escrevem, mas assim elas também lêem seus textos” W. Benjamin - “Visão do livro infantil”

Apresentando...

Este é um espaço para trocas e sugestões. Dessa forma, acreditamos que o trabalho desenvolvido na escola possa ser cada vez mais compartilhado com vocês.
Um abraço.

Rosita
Coordenadora de Língua Portuguesa